anna-auza-SjHG8Ks_ncw-unsplash.jpg

DOR NO JOELHO NA GRAVIDEZ

 

DOR NO JOELHO NA GRAVIDEZ

Dor no joelho é comum na gravidez. Em grande parte, devido aos efeitos da Relaxina. O joelho de uma mulher gravídica se torna mais flexível, o que pode levar a distensões inadvertidas durante atividades de alongamento, deambulação de rotina e exercícios. Com toda a probabilidade, o aumento do peso corporal relacionado à gravidez está associado a mais queixas de dor. A dor geralmente começa no segundo e terceiro trimestres. Um estudo recente de Spahn et al. mostrou que há associação entre o aumento da massa corporal à incidência de dor no joelho em mulheres grávidas. O aumento do peso corporal em pacientes sem queixas no joelho foi de 13,5 kg, enquanto pacientes com dor no joelho sofreram uma mudança no peso corporal de 16,8 kg. O momento do início dos sintomas na segunda metade da gravidez sugere que os fatores biomecânicos desempenham um papel maior do que influências hormonais.

 

Existem mudanças adaptativas normais que ocorrem durante a gravidez. A medida que a gravidez avança, as mulheres grávidas andam em um ritmo mais lento, a distância do passo diminui e alarga. Essas alterações permitem que a paciente gestante fique menos tempo com o apoio monopodal, ajuda a mulher a se ajustar ao tamanho abdominal e ao peso aumentados e reduz o risco de lesões.
Apesar dessas adaptações, existem dados que sugerem que os distúrbios da marcha que ocorrem durante a gravidez podem aumentar o risco de quedas e distúrbios musculoesqueléticos. As mulheres possuem um risco maior de cair durante a gravidez, principalmente durante o terceiro trimestre. Inanir e cols. mostraram que a gravidez teve um efeito negativo na estabilidade postural e que o equilíbrio postural diminui à medida que a gravidez progride.

 

A prevalência de ganho excessivo de peso e obesidade na América aumenta ainda mais o potencial de lesões relacionadas ao joelho. Mais de um terço da população adulta americana é obesa e, como tal, recomenda-se aconselhamento nutricional e de exercícios para todas as mulheres com sobrepeso e obesas. Além disso, os benefícios do exercício durante a gravidez são estabelecidos com mais clareza, de modo que, na ausência de fatores de risco, o Colégio Americano de Obstetras e Ginecologistas recomenda que as mulheres grávidas se exercitem regularmente. Os benefícios do exercício incluem aumento do crescimento fetal-placentário enquanto estão associados a recém-nascidos mais magros. Um recente estudo randomizado prospectivo revelou que mulheres que se exercitavam três dias por semana eram menos propensas a desenvolver hipertensão ou a experimentar ganho de peso excessivo. Não há resultados fetais, neonatais ou maternos adversos conhecidos do exercício.

 
pexels-wallace-chuck-3962211.jpg

Dor no joelho é comum na gravidez, principalmente com o avançar da idade gestacional e o ganho de peso subsequente.